20 de abril de 2024

VICKYS SPORTS GASTROPUB

VICKYS SPORTS GASTROPUB FUTEBOL AO VIVO, GASTRONOMIA

Copa do Mundo feminina quer atingir patamar histórico de transmissão e de fãs

5 min read

Copa do Mundo feminina quer atingir patamar histórico de transmissão e de fãs

Você acompanha a Copa do Mundo feminina, aqui no Portal Futebol Interior pelo nosso PLACAR AO VIVO

A edição pode ser o último Mundial de Marta. Ela está com 37 anos. A camisa 10 voltou a fazer parte do time na disputa do SheBelieves Cup, nos EUA

Categorias: Futebol Feminino

Por: Agência Estado, 20/06/2023

Brasil vai com tudo na Copa do Mundo feminina (Foto: Divulgação)

São Paulo, SP , 20 (AFI) – A exatos 30 dias do início da Copa do Mundo feminina, a Fifa promete premiação recorde de R$ 733 milhões para times e jogadoras, transmissão na TV aberta para mais de 150 países, 34 deles na Europa, e também no streaming, e formato de disputa com 32 seleções. O Brasil aguarda por Marta para seu último Mundial. Austrália e Nova Zelândia são os países-sede. A audiência global é estimada em 2 bilhões de fãs.

A técnica sueca Pia Sundhage encerra seu ciclo no comando da seleção brasileira na competição. O time estreia no dia 24 de julho, às 8h (de Brasília), em Adelaide, contra o Panamá. Terá ainda na fase de grupos a fraca Jamaica e uma pedreira diante da França. O futebol feminino ganha destaque no Brasil, com os clubes mais bem organizados e a Globo mostrando partidas em canal aberto, como aconteceu no fim de semana sem Brasileirão masculino.

Mais de 150 países transmitirão os jogos, com estimativa de atingir 2 bilhões de espectadores. Na disputa anterior, a audiência foi de 1,12 bilhão. Mas a Fifa teve dificuldades para vender o evento e travou uma batalha para negociar os direitos de transmissão para a Europa. Ela queria mais dinheiro, o que chamou de “preço justo” na mesa de negociação. Segundo o presidente Gianni Infantino, a disparidade nas propostas entre o que ofereciam para os homens e o que queriam pagar para as mulheres foi o entrave.

A oferta variava entre US$ 100 milhões (R$ 480 milhões) e US$ 200 milhões (R$ 960 milhões) para transmitir o Mundial masculino, enquanto que para o feminino flutuava na casa de US$ 1 milhão (R$ 4,8 milhões) a US$ 10 milhões (R$ 48 milhões), mesmo com audiências representando 50% ou 60% do torneio dos homens. A Fifa acabou acertando com a European Broadcasting Union (EBU), que vai transmitir o torneio na TV aberta para 34 países só na Europa, como França, Alemanha, Espanha, Itália e Reino Unido.

TRANSMISSÃO NO BRASIL

No Brasil, a transmissão será feita pelo SporTV (TV por assinatura), pela Globoplay (streaming) e no Ge.com (internet). A TV Globo prevê passar apenas os jogos da seleção brasileira. Além do grupo Globo, a CazéTV também transmitirá a competição. O canal, que pertence ao streamer Casimiro Miguel, mostrará um jogo por dia, além dos melhores momentos das outras disputas. “O futebol feminino é uma realidade e essa Copa tem representatividade enorme pelos investimentos feitos pela Fifa em torno das premiações”, entende Darwin Filho, CEO da Esportes da Sorte, plataforma de apostas que é um dos parceiros comerciais da CazéTV para o torneio.

Murilo Borges, Head da NSports, sportech que transmite esportes femininos, como futsal, vôlei e basquete, também vê a disputa como um divisor de águas. “O futebol feminino, de maneira geral, vem conquistando espaço. A exibição do torneio para centenas de países mostra que há um maior interesse pela modalidade. Esse é um movimento positivo para todos e que pode ser fortalecido por meio da visibilidade, que é alcançada por meio das transmissões.”

MARTA

A edição pode ser o último Mundial de Marta. Ela está com 37 anos. A camisa 10 voltou a fazer parte do time na disputa do SheBelieves Cup, nos EUA, em fevereiro, após quase 11 meses recuperando-se de lesão no joelho esquerdo, e agora vive a expectativa de aparecer na lista das 23 jogadoras que será anunciada no dia 27. Caso seja convocada, Marta vai disputar sua sexta edição de Copa. Ela também participou de cinco edições de Jogos Olímpicos e foi eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo. Pia sabe de sua importância para conduzir as novas meninas.

PREMIAÇÃO RECORDE

O formato do Mundial será similar ao do masculino. Oito grupos com quatro países cada um, com os dois melhores indo para as oitavas. A Fifa já adiantou que vai dar premiação para todas as jogadoras. Elas vão receber, no mínimo, US$ 30 mil (R$ 144 mil). Os valores podem aumentar de acordo com o avanço das seleções. Caso cheguem às oitavas, as jogadoras já garantem US$ 60 mil (R$ 289 mil), podendo conquistar até US$ 270 mil (R$ 1,3 milhão) com o título.

Ao todo, serão distribuídos US$ 152 milhões (R$ 733 milhões) entre prêmios e verba de preparação para as seleções. Os valores chegam a ser três vezes maiores do que na edição de 2019 e dez vezes acima do torneio de 2015.

“Por mais que esses valores sejam menores comparados ao masculino, já se nota um avanço. O torneio contará com 32 seleções e cada uma vive uma realidade diferente. Em alguns países, a modalidade é mais desenvolvida, em outras, nem tanto. Nesse sentido, a premiação torna-se uma motivação a mais para as atletas”, diz Rogério Neves, CEO da Motbot, plataforma que atua com crowdfunding esportivo.

A Fifa espera “usar” esse Mundial para consumar a importância do futebol feminino. No ano que vem, em 17 de maio, a entidade realiza um congresso para definir quem receberá o torneio seguinte. Até o momento, há quatro candidaturas: África do Sul e Brasil, além de duas propostas para sediar o torneio em conjunto, uma delas feita por Alemanha, Bélgica e Holanda e a outra de EUA e México.

Categorias: Futebol Feminino

Por: Agência Estado, 20/06/2023

Confira também:

Noticias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *